WooFuck #1












E aí ursada, beleza? Eu sou o Tiw (pronuncia-se Tio) e esse é o Woofúria e estou aqui pra usar todo o meu ponto de vista um tanto quanto "nervoso" sobre o nosso universo ursino.

Estejam preparados para posts picantes, acidos e porque não bem-humorados, afinal nem só de veias pulando do pescoço vive o homem. 

Mas antes de qualquer coisa lá vai um pedaço da minha historia:

Sou do interior de São Paulo, uma cidade chamada Franca e francamente a cidade está para os ursos o que a Britney está para cantoras de verdade. 
Mas moro aqui. Uma cidade maravilhosa e cheia de gente. Adoro gente. Adoro observar pessoas. Adoro estudar comportamentos. Adoro descobrir como as pessoas funcionam (sinistro neh) e é isso que vou fazer aqui na WB, falar de comportamento, life style (ja reparou que todo mundo fica passiva quando fala "life style"?), tendências.

E tudo começou quando criei o meu blog. Adoro escrever, escrevo desde filhote. Gosto de falar sobre tudo, principalmente sobre o universo ursino, do qual faço parte. 

Me assumi gay quando tinha 16 anos e pra delirio da galera fui expulso de casa. Estou por aí desde então e não, não vou falar quanto tempo isso faz.

Sou curioso. Curioso por psicologia, neurolinguistica, sistema binário, alimento transgenico, androgenia, artesanato. Enfim, coisas que tornam minha vida interessante (alem de sexo claro)

Sou músico. Rock esta na veia e no coração. Domina minha mente e me deixa fora de órbita. Estou formando uma banda, mas como faz pouco tempo que estou morando aqui, esta dificil, não conheço tantas pessoas assim. Mas desistir jamais!

Sou barman (afinal tenho que ganhar dinheiro), adoro a noite, adoro festas, adoro o fervo (outra palavra que deixa todo mundo passiva, "fervo"), adoro sentir a liberdade escorrendo pelo meu rosto, adoro sentir a noite me abraçando, me fazendo dela. Adoro a lua.

Sou mistico (mas esse é oooutro assunto, para um outro blog meu kkkkkkkk)

O que não sou? RYCKAH!! mas eu juro que é por pouco tempo.

Estreio nesse site incrivel do meu amigo Beto e espero que gostem do que tenho a dizer.



"Esse é o Woofúria, furiosamente histórico"

1 comentários :

WooF What #1











Sabe, não é fácil começar a escrever algo assim do nada, mesmo quando você já têm alguma experiência, sabe? Bem, começamos do começo então.

Meu nome é Eduardo Rolim e fui convidado pelo querido do Beto para escrever para o WoofBrasil. Eu estou muito agradecido e feliz por ter tido essa honra, junto com meus amigos Tiw, Ratu e Dani, de participar com eles desse empreendimento e também de estar próximo de pessoas tão legais. E também estou bastante assustado porque não tenho a mínima idéia do que escrever. Em vez disso, vou falando um pouco de mim, talvez possa ser até um pouco interessante!

Bem, como disse anteriormente, me chamo Eduardo. Eu tenho meus 30 anos e escrevo atualmente para dois blogs próprios. Eu costumo falar de qualquer coisa, sem assunto definido e guiado somente pela minha curiosidade. Eu sou funcionário federal e trabalho com manutenção de computadores e sou muito aficionado por tecnologia e ciência.

Como me descobri um urso? Bem, isso remete à uma longa história da minha vida, mas vou resumir um pouco. Tudo começou quando minha mãe e meu pai ... ok ok, vou me adiantar! Desde que eu percebi que eu era diferente dos outros meninos da escola eu fui percebendo diferenças nos meus padrões de "gosto".

Eu sempre olhava com olhos especiais para aqueles caras mais velhos da minha escola, da indústria que eu já estagiei, das pessoas do meu convívio, mas nunca cheguei a juntar isso tudo em um único denominador. Eram sempre aqueles caras mais velhos que eu, os gordinhos, os peludos, se bem que durante um tempo eu não achasse muito atraente aqueles homens com muita cobertura corporal, até ter ficado com um. E realmente a experiência mudou minha opinião.

Então, eu me mudei para Palmas - onde vivo atualmente. Nesse período eu comecei a namorar um cara pouco mais velho que eu mas que era gordinho, do tipo "Big Ball". Meus amigos me perguntavam como eu achava atraente uma pessoa tão "diferente" e eu respondia que simplesmente eu me sentia definitivamente atraído por aquele tipo de pessoa.

O tempo passou, o namoro terminou e então eu conheci uma pessoa de São Paulo. Foi aí que meu conhecimento sobre o que viria a ser um urso começou a ser delineado em minha mente. Durante as várias vezes que eu estive em São Paulo, conheci vários amigos desse meu namorado que se encaixavam exatamente nesse perfil, e que se orgulhavam de ser daquele jeito. Eles se sentiam bem assim, e pela primeira vez, eu comecei a me sentir bonito e atraente também.

Com o passar do tempo, fui aprendendo mais sobre esse mundo novo e até cheguei a conhecer o WoofBrasil, onde li muitas coisas esclarecedoras. Agradeço o Beto por esse trabalho contínuo de trazer a informação do mundo ursino para a nossa realidade. Realmente faz muita diferença.

Então, o tempo passou, eu terminei meu namoro com o cara de São Paulo e mais ou menos em seguida comecei a participar do WoofBrasil. E aqui estou hoje. Pode ser um pouco massante falar isso aqui e nos podcasts, mas eu não consigo não deixar de ver a revolução que está sendo para mim estar aqui, hoje, escrevendo para vocês sobre algum assunto aleatório que venha a surgir na minha mente.

Hoje considero todos do WoofBrasil (Tiw, Dani, Beto Ratu, e ... por que não o Nilton né) como as pessoas com quem mais me identifico na atualidade. Fui aprendendo a gostar de cada um do seu jeito especial e hoje, não consigo ficar um dia sequer sem falar ou mesmo sem pensar neles, em o que estão fazendo no momento, se estão bem, se estão felizes, se estão se divertindo. Eu amo esses quatro ursos do fundo do meu coração!

Ah sim, sobre o que eu vou escrever? Bom, eu sou muito bom em falar nada, ou seja, depende muito do que vier à minha mente. Posso falar sobre tecnologia quase como Steve Jobs ou escrever posts sobre ocultismo e astrologia como se fosse um acólito de alguma religião esquecida. Ah, e não posso deixar de lembrar que eu sou uma pessoa bem humilde, sabe? Mas então, estando aqui no Tocantins é um pouco difícil eu falar da vida noturna ou dos babados da cidade, pq sinceramente, qualquer outra cidade do país é mais animada que aqui (com exceção de Londrina).

E aqui eu termino de falar sobre o que eu vim falar nessa coluna. Não é bem o que eu esperava que fosse, mas é um início, e começar sempre é uma arte muito difícil, a não ser que você comece pelo fim, aí sim.

Woof para todos vocês!

0 comentários :

Bear Style | WooFCast #8


O tema do WooFCast #8 foi sugerido pelo nosso leitor Roberto que nos mandou um e-mail contando como foi que ele teve a consciência de que era urso e, por causa disso, o rapaz se sentiu perdido na cena bear. Para Roberto, a cultura ursina é cheia de classificações, regras e mecanismos que deixam qualquer pessoa confusa. Então o nosso caro leitor nos pediu uma orientação sobre como agir no meio de tanta gente gorda, barbuda e peluda! =P

Além da contribuição do Roberto, o WooFcast #8 conta com a presença do carioca Raphael que agora faz parte da nossa equipe! =D

Links relacionados ao tema:
Exemplo brasileiro de chubby: dupla sertaneja Cesar Menotti e Fabiano

Músicas tocadas:

RSS e iTunes:
Assine o feed do WOOFCast Brasil no seu agregador de RSS ou clique aqui para assinar diretamente no iTunes. Visite a página do WOOFCast na iTunes Store.

Aperte o PLAY abaixo ou clique com o botão direito em DOWNLOAD e selecione "salvar link como", para baixar o arquivo no formato MP3.

1 comentários :

Histórias de um urso do interior ! | Fora da Toca #1











Woofadas a todos...


Estou iniciando aqui uma série de posts “50 tons de urso” trazendo sexo quente e penetrante (ui...kkkk to zuando...na verdade minha coluna se chamara "whoof" que é um jogo de palavras 'who' e 'woof'), contando experiências de como é viver no interior e não ter contato com o meio urso. Moro no interior do Paraná e aqui você não encontra muito urso na rua, trabalhando, curtindo, saqueando carros, roubando chocolate das lojas ou subindo em arvores, como você vê nas grandes cidades.

E para introduzir essa serie, vou contar um pouco da minha história. Comecei tarde na ‘viadisse’ (lá pelos meus 19-20 anos), enquanto todo mundo estava pensando em quem iria beijar, transar ou namorar, eu tinha minhas metas de vida, que era jogar o maior numero de games possível, apresentar um programa sobre jogos, abrir uma locadora e ir a eventos tecnológicos. Quando era questionado sobre namoradas, eu tentava me esquivar e não pensar no assunto, mas isso ficava na minha cabeça: “por que não conseguia arrumar uma namorada e ser como o resto dos amigos?” (na época só tinha amigos heteros ou pelo menos eu achava que eram). Então começaram as minhas dúvidas sobre ser gay. Entrei no bate papo uol e fui conhecendo pessoas, claro que sempre tive muito medo da pessoa sair pela rua com um carro de som dizendo que eu era gay (sim, eu era bem neurótico e cidade pequena vocês sabem como uma história corre). Era o clássico ‘encontro as escuras’, você escolhia o look antes para informar ao boy e dizia: “me encontre em tal ponto do shopping, vou estar de preto e jeans” (imaginando que neste dia todas as pessoas usariam as mais variadas cores possíveis exceto preto), e tinham aqueles que eram um pouco mais específicos: “vou estar de boné branco”. (hahaha bons tempos).

Passado um tempo, durante um fim de semana em Curitiba, foi que entendi o que realmente queria. Fiquei com um cara e gostei. Quando voltei, estava com a cabeça feita. “Quero ser gay” (como naquela cena que você pergunta para criança o que ela quer ser quando crescer), comecei a fazer amizades, frequentar baladas e ao mesmo tempo me desliguei dos amigos heteros, achando que assim ninguém saberia por onde e com quem estava andando. Eu tinha um grupo de amigos gays que sempre andávamos juntos, mas mesmo assim ainda me sentia um pouco deslocado. Eles sabiam dos acontecimentos no meio e gostavam de divas do momento e viviam em baladas, enquanto eu gostava de ficar jogando games, RPG, lendo mangás e assistindo animes. 

Era gordinho e sempre me diziam para entrar numa academia para me sentir melhor, começava a suspeitar que para ser mais desejado eu deveria emagrecer e me vestir melhor... porém não queria. Quando apontava outro gordinho que havia gostado, eles diziam que não, eu deveria escolher alguém mais bonito... até que liguei o foda-se.


Parei de ir para balada e frequentar o meio GLS da minha cidade. Estava irritado e queria mudar, mas como mudar se você não tem referencias? Já tinha sanado a dúvida sobre a minha pessoa, mas não sabia que tipo de gay eu era. Então olhei para mim (gordinho), então comecei a deixar a barba, gostava de games, não tava nem aí para moda e reparava muito em caras barbados e/ou gordinhos. Comecei a procurar caras barbudos e gordos na minha cidade, mas só encontrava caras casados com mulheres que só queriam uma foda casual. 

Ouvia histórias que nas capitais haviam mais concentração desses caras, então fui novamente para Curitiba e conversando com o meu amigo de lá, ele me explicou que eu procurava por ‘ursos’. Fui a um bar e fiquei maravilhado... “wow! barbas e caras grandes” (eu estava vomitando arco-íris de tanta pelúcia). Mas os caras não me deram muita bola, fui taxado de “falso gordo”, “faltava barba”, “pequeno demais”. Depois da experiência comecei a procurar saber mais sobre o que era um urso, foi assim que cai no Woof Brasil, numa matéria da revista Trip onde alguns ursos contavam suas histórias e tals. Me identifiquei com o blog e passei a segui-los, mas comecei a entender que eles também tinham seus ‘tipos de urso’. Discutindo com os ursos do blog no Woofcast, vi que estava errado em tentar me taxar de alguma coisa, eu sabia do que eu gostava e achava estranho tentar parecer uma coisa que não queria ser. Mas ao menos tinham referências e poderia escolher, coisa que só aprendi quando fui para fora da minha cidade. Conhecer outros caras foi importante para a construção da minha pessoa, você se molda através de experiências e pessoas que conhece no decorrer da sua vida. Comecei a pensar mais sobre mim mesmo e tenho orgulho. Sou ursinho, nerd, chato, gamer e curto ursos. Simples assim!

E vocês como se sentem em relação a isso? Sobre ainda estar meio perdido e ter se encontrado? Seria certo nos rotular? Mande sua experiência, conte sua história. Próximo post falarei um pouco do encontro com o urso na cidade pequena.

Woof e até a próxima!

4 comentários :

Woof Brasil Team











Em dezembro o Woof Brasil fará 2 anos de vida e a partir de amanhã iniciaremos as comemorações dessa data tão importante.

Os que acompanham o blog desde o início sabem que o mentor dessa bagaça é o Beto, mas com o surgimento do Woofcast vieram mais pessoas para contribuir com o WB que são esses lindos ursos da foto acima (de cima para baixo: Dani, Dudu, Beto, Ratu e Tiw).

Sempre às quartas-feiras teremos um post escrito por um dos integrantes do Woof Brasil. Cada um terá uma coluna mensalmente para abordar diferentes assuntos relacionados aos ursos.



Além disso, também estamos preparando um podcast especial de 2 anos do Woof Brasil.

Continue acompanhando o blog e comemore junto com a gente o nosso aniversário. =)

WOOF!

0 comentários :